Uma criança autista pode ter uma vida normal e autônoma?

Quando chegam ainda nos primeiros anos de vida para um tratamento psicoterápico, as crianças que apresentam sintomas e defesas autísticas têm grandes chances de evoluir bem. Em muitos dos casos é possível reverter o quadro, permitindo que as crianças sigam suas vidas sem maiores dificuldades. Quanto mais tarde o tratamento for iniciado, mais difícil será lidar com os transtornos do desenvolvimento que se instalam, por isso, é muito importante que uma intervenção adequada seja realizada a tempo para que essas mudanças se processem.

Para aqueles que crescem e permanecem com dificuldades ao longo de suas vidas, o tratamento deverá servir exatamente para auxiliá-las na construção de um projeto de vida adequado às suas necessidades e possibilidades. Da mesma forma que para cada pessoa a vida segue rumos os mais variados possíveis, para estas crianças ‘ditas autistas’, não teria sentido uma questão dessa ser vista de forma diferente, pois nunca devemos estabelecer a priori, até onde elas podem chegar.